Resenha: Em chamas, por Suzanne Collins

Editora: Rocco

Páginas: 413

Ano de Publicação: 2011

Se você ainda não leu o primeiro livro da série essa resenha conterá spoilers. Leia a resenha de Jogos Vorazes primeiro! (♥)


” Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações nos distritos dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizam o governo e conseguiram fazer todos – incluindo o próprio Peeta – acreditaram que são um casal apaixonado.

A confusão na cabeça de Katniss não é menor do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos – transformados em verdadeiros ídolos nacionais – podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente. “

Assim que eu acabei o primeiro livro fiz questão de comprar logo o segundo, porque estava muito ansiosa para saber o que acontecia com o casal do distrito 12. Acontece que “Em Chamas” tem uma trama bem melhor do que o primeiro livro, e o romance é uma das últimas coisas destacadas no livro. A história começa com a Katniss recebendo uma visita inusitada de nada menos do que o presidente Snow, que de certa forma diz que ele sabe o que ela fez nos Jogos passados, mas mesmo assim ela precisa continuar fingindo tudo para que as pessoas não pensem que a Capital é fácil de se enganar, e então, que a vida de Katniss volta a ser uma grande confusão.

Não podemos dizer que sua vida só piorou depois dos Jogos. Afinal, agora está morando em uma casa grande e confortável, não passa mais fome e não precisa entrar na floresta para procurar e vender suas caças em troca de um pouco de dinheiro. Sua relação com Peeta está instável. Mesmo atuando na frente das câmeras, a verdade é que Katniss se sente desconfortável com o fato de ter que namorá-lo, e seu coração está bastante divido entre o seu ex companheiro dos Jogos, e o caçador e melhor amigo, Gale. (Na minha opinião ela não merece nenhum dos dois!)

Mentiras e atuação a parte, novas pessoas surgem no Distrito 12. Mais do que nunca, Pacificadores estão nas redondezas atrás de acabar com qualquer sinal de rebelião que possa estar acontecendo, e eles serão bem violentos e frios durante todo o livro. A história começa a realmente ficar interessante quando Katniss descobre que estão havendo rebeliões nas ruas de outros distritos. São pessoas gritando e lutando contra a Capital, querendo seus direitos e finalmente notando do que ela é capaz de fazer. O símbolo da rebelião é o Tordo, e isso traz mais problemas para Katniss. O fato dela ter usado ele no seu broche nos Jogos do ano anterior (e ter ganhado) fez com que todo o símbolo virasse a nova tendência na moda da Capital, o que deixa o presidente e os idealizadores dos jogos, completamente frustrados.

Sem saber o que fazer, a Capital tomou a atitude que julgou ser mais rápida e que ao mesmo tempo, calaria os distritos. Nessa nova edição dos Jogos, os participantes serão os vitoriosos das edições anteriores. Isso mesmo, um casal, de cada distrito terá que entrar novamente na arena, e como no Distrito 12 só há 3 vitoriosos, e Katniss é a única mulher, ela é obrigada a voltar para a batalha e encarar todos os seus piores pesadelos novamente. Como um excelente companheiro, Peeta a acompanha, mas Katniss se sente cada vez mais culpada e só consegue pensar como tudo aquilo só está acontecendo por sua causa, e então, cria uma meta na sua cabeça: Proteger Peeta. Custe o que custar.

O Personagem mais fofo do livro eu diria que é o estilista da Katniss, o Cinna. Além de deixar a garota radiante com todos os seus vestidos inusitados, ele acaba sendo uma espécie de ouvinte para ela, quando ela fica muito chateada e frustrada com todos aqueles procedimentos dos Jogos e as pessoas da Capital.

Pode ter certeza que você vai sentir as mesmas sensações dos personagens. A narração é bem rápida, mas não deixou a desejar. Muitos novos personagens aparecem e inclusive, vão continuar no próximo livro. Acho que a única coisa que não gostei muito foi o fato da Katniss sempre estar reclamando das coisas, e sempre ficar indecisa em relação ao seu “namorado” e seu melhor amigo. O final é ótimo e me deixou querendo mais, preciso loucamente ir comprar o próximo livro, mas acho que só vou ter tempo de lê-lo em agosto!

Uma ótima leitura! Em breve, resenha do último livro da série Jogos Vorazes!

Beatriz Vidal

Anúncios

8 comentários sobre “Resenha: Em chamas, por Suzanne Collins

  1. Em Chamas é o melhor livro da saga, na minha opinião. Não que A Esperança deixe buracos na história ou coisa parecida – não deixa – mas algumas coisas acontecem injustamente (pontos para Suzanne ao retratar a vida real, onde nem tudo é um mar de rosas) porém, ela peca ao dar pouquíssima atenção a algumas coisas. Enfim, você verá

  2. Pingback: O que eu li em Julho de 2012! « tem que ser criativo

  3. Pingback: Divulgado elenco de “Em Chamas”! « tem que ser criativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s