O que eu li em Julho de 2012!

Estava demorando para fazer esse post porque queria bater uma foto com todos os livros que li durante o mês passado, mas Em Chamas estava emprestado e por isso não tinha postado antes, mas agora ele está lindamente na minha estante e aqui estou eu escrevendo!

Sem dúvidas esse foi o mês em que mais li na minha vida! Acostumada com um ou dois livros por ano, quebrei todos os meus recordes e expectativas! (Os livros não estão em ordem de leitura, nem de preferência!)

Sábado à Noite:  É o primeiro livro de uma trilogia repleta de amor, música e amizade. Amanda é popular na escola e os amigos do seu amigo de infância são considerados os ‘marotos’ do pedaço por desrespeitarem as regras. Tudo ao seu redor acaba desmoronando quando um amor mal resolvido volta à tona e a sua amizade é posta em prova. Se não bastasse, seu diretor resolve dar bailes aos sábados e uma misteriosa banda mascarada foi convocada pra tocar. Mas suas letras dizem tanto sobre ela… Afinal, quem são esses mascarados de Sábado à Noite? (Resenha aqui!)

The Fault In Our Stars: Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas. (Resenha próxima semana!)

Por isso a gente acabou: Por Isso a Gente Acabou trata, com a comicidade típica do autor, de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa e toda a angústia, tristeza e incerteza que essa vivência pode gerar. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro. Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento. Essa carta é o texto de Por isso a gente acabou, que é, assim, carregado de um tom informal e tragicômico – características da personagem – e traduz com um misto de simplicidade e profundidade a história de uma separação. Imerso neste universo adolescente, o leitor conhecerá a divertida personalidade de Min, uma garota apaixonada por filmes cujo sonho é ser diretora de cinema, e as idas e vindas deste romance, desde o dia em que os dois conversaram pela primeira vez até o instante em que tudo acabou. A artista Maira Kalman, autora de diversas capas da revista The New Yorker, ilustrou cada um dos objetos da narrativa, trazendo cor e descontração a esta história dolorida. (Em breve resenha!)

Til: Segredos antigos, desencontros amorosos e renúncias estão presentes neste destacado romance regionalista, de 1872, em que Alencar documenta o cotidiano numa fazenda paulista do século XIX. Til é o apelido de Berta, a heroína capaz de imensos sacrifícios por um ideal. (Em breve resenha!)

Em Chamas: Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações nos distritos dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizaram o governo e conseguiram fazer todos – incluindo o próprio Peeta – acreditarem que são um casal apaixonado. A confusão na cabeça de Katniss não é menos do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos – transformados em verdadeiros ídolos nacionais – podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente. (Resenha aqui!)

Sundays At Tiffany’s: O livro conta a história de Jane Margaux, iniciando a narrativa quando ela tinha sete anos, prestes a fazer oito. Sua mãe era uma pessoa muito ausente em sua vida, dona de uma das maiores companhias de Teatro de NY, só conseguia um espaço na sua agenda para a pequena Jane aos domingos, quando as duas faziam uma visita a Tiffany’s (♥). No entanto, Jane tinha um melhor amigo, Michael, a única pessoa que Jane confiava de verdade – o único problema é que Michael é seu amigoa invisível, e quando Jane completa 8 anos, é hora de Michael abandoná-la, mas ele promete que ela nunca se lembrará dele. O problema é que Jane, depois de mais de vinte anos, Jane ainda se lembra. Ela ainda se lembra de seu melhor amigo, aquele moço bonito que era fez de sua infância um lugar menos solitário. A promessa não tinha se cumprido e sua vida pouco tinha mudado, sua mãe ainda era uma controladora ausente. E em um dia fatídico, Jane vê Michael, o seu Michael, como ela tão bem se lembra. (Em breve resenha!)

E ai, o que vocês andaram lendo? Beatriz.