Entre aspas: O meu jeito de dizer que te amo

90530002
Grita baixo que é pra felicidade não fugir pela janela. E corre para os meus braços, só pra eu lembrar a todo instante que você é todinho meu. Eu preciso sentir de novo que aqui é o meu lugar. Que você é o meu paraíso perfeito.

Eu não quero parecer uma dessas loucas apaixonadas, mas eu olho para você e um sorriso instantâneo abre em meu rosto. Ah, se você soubesse o barulho que você faz aqui dentro. Eu, sempre tão controladora, não sei para que lado ir quando você aparece e deixa tudo do seu jeito. Quando dou por mim, a loucura já chegou e se instalou por aqui. Fico boba, doida, louca. De um jeito que só você sabe fazer.

Você é tudo que eu nunca soube que amaria. Mais um desses caras normais que eu jurava que não me encantavam. Até que um dia você resolveu abrir esse sorriso e minhas certezas foram para o espaço. E o meu espaço, você invadiu, e roubou, sem pedir permissão, toda a minha calma, a minha alma e o meu coração.

Eu tenho medo de dizer que eu te amo muitas vezes e as palavras fugirem de mim. Eu tenho receio de falar demais e alguém capturar o sentimento que é só meu. Tenho pavor que alguém apareça pra te roubar pra longe. E que um dia você aceite me deixar por aqui. E, por isso, eu não queria te amar. Eu não queria sorrir como boba quando você fala um bom dia qualquer. Não queria essa tremedeira quando você cruza aquela porta. Nem queria perder o controle no primeiro riso torto que você solta pra mim.

Mas não faz assim. Não me olha com essa cara de cachorro sem dono, porque dona você tem. Eu sei que disse que não queria me apaixonar, mas nós já passamos dessa fase. Chega aqui, pega o seu lugar, se instala do jeito que quiser. Eu não vou te impedir de me ter, não vou fugir, nem vou ter medo de dizer, nem que seja bem baixinho: “ei, eu amo você”.

Texto escrito por Karine Rosa. Ela é dona do blog KarineRosa e simplesmente tive que postar. Parabéns para a autora. ♥

Anúncios

Entre aspas: A hora certa de me apaixonar

texto-amor-adolescenteVocê me aconteceu em uma quinta-feira cinzenta, movimentada e corrida. Nada parecido com as comédias românticas que eu costumava assistir. E foi me conquistando aos pouquinhos. Primeiro, com seus gostos tão parecidos com os meus. Depois, com seu jeito carinhoso de me mostrar seu ponto de vista. E, por último, para me ganhar de vez, usou toda a sua capacidade de provar para o mundo a força da palavra amizade.

Com você eu não achei que era amor. Eu já tinha achado que era amor outras vezes, estava tentando evitar a palavra. Achei, uma vez, que era amor em um sorriso galanteador, desses que você esbarra e perde o ar. Olhei para o dono do sorriso e pensei: tô pronta. Óbvio que eu não estava pronta. Mas eu achei, como sempre, sempre acho. Achei que o amor ia aparecer naquele sorriso, que eu ia ser feliz como nos contos de fadas, coisa e tal. Não ia. A graça do sorriso passou no primeiro beijo.

Depois foram uns olhos azuis que achei que iam me ganhar. Tão bonitos, desses que parecem com o oceano. Achei que eram eles. E eles me olharam. E eu pensei: é agora! De novo, eu achei. Que tinha aparecido, finalmente. O tal cara da minha vida, que sempre falavam. O tal do cara certo, aquele que ia mudar tudo por aqui. Mas não era. Não era o cara, nem a hora.

Você não. Você apareceu enquanto eu não estava olhando. Apareceu enquanto eu estava concentrada em ler um livro, cortar o cabelo, fazer um novo curso, conhecer um novo bar, assistir a um novo filme. Você me apareceu enquanto eu olhava para todos os outros lados, sem, na verdade, procurar nada. E, de relance, distraída e despretensiosa, acabei achando: você.

Você e o seu sorriso sem grande coisa. Você e seus olhos castanhos. Você e sua normalidade. Você e sua loucura. Você e sua mania de ser lindo ao não ser o cara mais bonito do mundo. Você e suas palavras sinceras. Você e seu jeito admirável de ser fiel, leal, justo, inteligente e humilde. Você e suas frases de apoio, sua força, seus risos e sorrisos. Você e seus defeitos, suas falhas, suas faltas, seus buracos e suas ausências. Você e a lição de que não há por que esperar que seja a hora de viver um grande amor. Porque, depois que você surgiu, eu aprendi que o amor de verdade é mil vezes maior do que eu podia imaginar. E aparece sem aviso, sem hora marcada, sem perguntar “tá preparada?”. Acho, sei lá, que o amor de verdade é um tapa na cara que te acorda pra vida. Tipo você. Que, sem que eu percebesse, me ensinou o que era o amor.

Texto escrito por Karine Rosa. Ela é dona do blog KarineRosa e simplesmente tive que postar. Parabéns para a autora. ♥

Entre aspas: Meu futuro amor vai ser assim

2509912367346198865Meu futuro amor vai ter jeito de domingo à tarde com a família. Vai ter uma pinta no canto esquerdo do rosto, que vai ser meu xodó. Vai ter a covinha mais linda que já se viu por essas redondezas. E o mais encantador sorriso torto que eu já esbarrei por aí. Vai ter um abraço de urso que vai me fazer ter a certeza de que problema nenhum pode arrancar meu chão. Vai ter braços com o poder de me fazer fugir da realidade. E o beijo mais perfeito que meus lábios já experimentaram durante todos esses anos.
Meu futuro amor vai ter o tamanho exato para acolher meu corpo. Vai ter cheirinho de lar, doce lar. Vai ter um jeitinho só dele de me mostrar o mundo de um jeito que eu nunca vi na vida. Meu futuro amor vai me ensinar francês. E me levar a lugares que normalmente eu não frequentaria. Vai me fazer crescer, vai me fazer viver, vai me fazer imaginar uma vida inteira diferente. Vai ter um roteiro de viagens incrível. Vai ter a coragem de ir contra tudo e contra todos, de realizar as coisas mais improváveis, mesmo quando todos disserem que nós somos loucos.
Meu futuro amor vai ter uma prancha para usar todos os finais de semana, um violão para tocar minhas músicas preferidas e um sonho para realizar ao meu lado. Vai ter os planos mais sensatos e os objetivos mais insanos. Meu futuro amor vai ter um riso frouxo, uma alma descontraída e o maior bom humor do mundo. Meu futuro amor vai assistir aos meus filmes preferidos ao meu lado. E me abraçar quando eu tiver medo assistindo aos filmes de terror dele. Meu futuro amor vai ter a sabedoria de me amar como um homem maduro e a leveza de me fazer rir como uma criança sapeca.
Meu futuro amor vai ter a paciência de ouvir meus dramas. A calma de aguentar minhas crises. A delicadeza de limpar minhas lágrimas. A força de me aguentar no colo. A sabedoria de me dar a mão quando tudo parecer ruim e triste e pesado. Meu futuro amor vai ser comédia, suspense, romance, drama e novela mexicana. Meu futuro amor vai ter a capacidade de me roubar um sorriso. E roubar mil beijos. E roubar, inteirinho, meu coração.
Mas, ainda que não haja a covinha para ser meu xodó. Ainda que não haja tanta compreensão. Ainda que não haja o mais perfeito sorriso torto, o melhor abraço do mundo, tanta delicadeza, força e sabedoria. Ainda que não haja nada disso: tudo bem. Que não tenha nada disso, que não seja nada disso, que não seja assim e seja quase nada perfeito. Mas que tenha, apenas, o único que lhe exijo, sem aceitar migalhas nem ilusões: amor. Que tenha amor, pura e simplesmente amor, o mais forte possível amor, só amor. E basta
Texto escrito por Karine Rosa. Ela é dona do blog KarineRosa e simplesmente tive que postar. Parabéns para a autora. ♥

Entre aspas: Portas arrombadas

tumblr_m7srm252ql1rbhhdfo1_1280

Escuta, não é assim. Você não pode entrar, tirar o sapato e colocar o pé na minha mesinha de centro. Quem disse que você podia pegar meu controle remoto e mudar de canal? Calma, eu não te autorizei a abrir minha geladeira e escolher o que vai fazer para almoçar. Não dá para você ir entrando assim como se fosse o primeiro que passa por aqui e tendo essa certeza absurda de que será o último. Não dá para bagunçar as coisas assim porque depois você pega suas coisas e vai para a sua casa e quem arruma essa bagunça toda sou eu.

Não coloca o copo da cerveja na minha estante. Ei, espera, eu não deixei você dormir do meu lado da cama. Vamos combinar assim? Você precisa respeitar o meu espaço, afinal isso aqui é meu e eu vou acabar ficando louca com esse seu jeito de achar que manda nas coisas por aqui. Você não pode simplesmente chegar e começar a empurrar os móveis de um jeito que tudo pareça melhor para você. No final, eu não vou ter força para empurrar sozinha isso tudo de volta.

Eu não deixei que você entrasse sem pedir autorização. Era para você ter pedido para o porteiro interfonar. Eu teria tempo de arrumar as coisas por aqui. Eu tinha roupas jogadas na cama que eu queria ter guardado no armário. As fotos do meu ex-namorado ainda estavam no mural do meu quarto. Você tinha que ter me dado tempo para organizar minimamente a minha casa e a minha vida. Mas você decidiu fazer uma surpresa e combinou com o porteiro que subiria sem avisar. Você não tocou a campainha, foi abrindo, sem precisar de convite.

Você regravou a minha mensagem na caixa postal. Atendeu aos meus telefonemas. Fuçou as mensagens do meu celular. Você foi agindo assim, como se tudo o que envolvesse a mim dissesse respeito a você também. Eu não deixei que você entrasse e fizesse o que bem entendesse, mas quem disse que eu tive força de te mandar parar e voltar para o começo? Quando eu vi, seu cheiro já estava registrado na casa inteira e meus vizinhos te conheciam mais do que a mim.

Você não pode fazer minhas compras, mudar a decoração, nem deixar a toalha molhada na cama. Não enquanto eu não conseguir entender ainda como tudo isso foi acontecer, sem que eu tivesse controle de alguma coisa. Entenda, eu preciso do meu tempo, eu não vou abrindo a porta da minha casa assim, deixando que qualquer um entre, faça sua bagunça e conquiste seu espaço.

Mas, olha só, antes que eu me desse conta, você já tinha invadido minha casa. E arrombado, derrubado, escancarado a porta que eu mais temia: a do meu coração.

Texto escrito por Karine Rosa. Ela é dona do blog KarineRosa e simplesmente tive que postar. Parabéns para a autora. ♥